segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Vinicius de Moraes

Poema de Natal
Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos –
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será a nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos –
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez, de amor
Uma prece por quem se vai –
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte –
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

"Antologia Poética", Editora do Autor - Rio de Janeiro, 1960, pág. 147.

3 comentários:

Sofia disse...

Um feliz Natal!:)

Beijos

Sofia

contradicoes disse...

Os meus votos dum Feliz Natal

Sandra disse...

Adorei o blog. Adiconava ao meu se tivesse algum :)
Aproveito para te desejar um feliz natal e prospero ano novo e que te mantenhas um amador na natureza
Já agora,se gostas de plantinhas dá uma vista de olhos ao estufa.com.pt. Um forum renascido das cinzas :D