quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Donde vem a água?



...Perguntar – como se perguntou – a uma velha camponesa transmontana: “A senhora sabe o que é a política?”. (Lá no seu universo ela respondeu que não sabia, mas quem, realmente mostrou que não sabia, cá no nosso universo, foi o perguntador, rapaz de boas maneiras, mas de fracas ideias, um que pensa, afinal, que a água começa ns torneiras…)

In “Alexandre O’Neill, prosas de um poeta, proposta crítica -crónicas 1968 – 1985” de Laurinda M- P. M. Escoval Bom

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Hovenia dulcis ou Uva jponesa


Todos os anos por esta altura, neste momento já começam a rarear, vou comendo os pezinhos da uva japonesa

Os sabores dos pedúnculos frescos sabem a uma mistura de passas, cravinho, canela e açúcar. Há quem diga que tem um sabor parecido à alfarroba.
Hoje volto a falar dela por ter descoberto as referências que existem como planta medicinal, embora existam referência à sua utilização na China antes da era cristã, a investigação científica sobre a sua composição química é recente.
Os pedúnculos contêm níveis altos de açúcar, enquanto as folhas contêm vários dammarane (triterpeno tetracíclico com fórmula próxima de C30H54) que funcionam como inibidores de açúcar. Na Ásia Oriental a H. dulcis é usada à muito tempo como planta medicinal para o tratamento de problemas de fígado (dihidroflavonóides) e desintoxicação alcoólica.
Na medicina tradicional Chinesa o seu fruto e pedúnculo era utilizado para o tratamento de febres e administrado para tratar infecções de parasitas. As sementes eram utilizadas como diurético e para a cura de overdose de álcool, por sua vez o fruto era também utilizado com antiespasmódico, antipirético, laxativo e agente diurético. Por sua vez a casca do caule foi introduzida para o tratamento de doenças retais.
Por ser uma planta praticamente desconhecida, os estudos médicos ainda são recentes para se poder contabilizar a acusa efeito dos diversos compostos que a planta contem.

Existem referências sobre esta planta poder-se tornar invasora. Na minha experiência, plantei em três locais diferentes, duas em jardins normalmente regados e uma em campo aberto e sem rega, as árvores já têm 16 anos começaram a produzir com 3, 4 anos e até hoje não consegui encontrar nenhum rebento à volta delas. Dos locais referenciados em que a Uva Japonesa se comporta como infestante têm a coincidência de terem clima tropical húmido.

Referências
  1. A palynotaxonomic study of the Korean Rhamnaceae.
  2. Advances in Studies on Bioactivity of Hovenia dulcis.
  3. Hovenia dulcis--an Asian traditional herb T. K. Hyun, S. H. Eom, C. Y. Yu, do Bioherb Reseach Institute, Kores and  T. Roitsch do Institte for Plant Science AustriaPlanta Med. (2010)
  4. Xiang J, et al. Effect of juice and fermented vinegar from Hovenia dulcis peduncles on chronically alcohol-induced liver damage in mice. Food Funct. (2012)
  5. Changes in Antioxidant Properties of Hovenia dulcis Thunb Vinegar during Fermentation Process.
  6. Yoshikawa M, et al. Bioactive constituents of Chinese natural medicines. III. Absolute stereostructures of new dihydroflavonols, hovenitins I, II, and III, isolated from hoveniae semen seu fructus, the seed and fruit of Hovenia dulcis THUNB. (Rhamnaceae): inhibitory effect on alcohol-induced muscular relaxation and hepatoprotective activity. Yakugaku Zasshi. (1997)
  7. Yoshikawa M, et al. Bioactive saponins and glycosides. IV. Four methyl-migrated 16,17-seco-dammarane triterpene gylcosides from Chinese natural medicine, hoveniae semen seu fructus, the seeds and fruit of Hovenia dulcis THUNB.: absolute stereostructures and inhibitory activity on histamine release of hovenidulciosides A1, A2, B1, and B2. Chem Pharm Bull (Tokyo). (1996)
  8. Yoshikawa M, et al. Absolute stereostructures of hovenidulciosides A1 and A2, bioactive novel triterpene glycosides from hoveniae semen seu fructus, the seeds and fruit of Hovenia dulcis Thunb. Chem Pharm Bull (Tokyo). (1995)
  9. Effect of Water Extracts of Crude Drugs in Decreasing Blood Ethanol Concentrations in Rats.
  10. Effect of extracts from Hovenia dulcis Thunb. alcohol concentration in rats and men administered alcohol
  11. Fang HL, et al. Treatment of chronic liver injuries in mice by oral administration of ethanolic extract of the fruit of Hovenia dulcis

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Romãs, em três tempos, porque está no tempo delas

Boca de romã perfeita
Quando a abres p’ra comer,
Que feitiço é que me espreita
Quando ris só de me ver?
s.d.
Quadras ao Gosto Popular. Fernando Pessoa. (Texto estabelecido e prefaciado por Georg Rudolf Lind e Jacinto do Prado Coelho.) Lisboa: Ática, 1965. (6ª ed., 1973).
 - 111.













segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Dia de Natal


Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.

É dia de pensar nos outros - coitadinhos - nos que padecem,
de lhes darmos coragem para poderem continuar a aceitar a sua miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.

Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,
de violas e banjos,
entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes, a voz do locutor
anuncia o melhor dos detergentes.

De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus nasceu?
Não seja estúpido! Compre imediatamente um relógio de pulso antimagnético.
Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos que passam mais distante.

Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico, de metal, de vidro e de cerâmica.

Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.
A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha~se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra - louvado seja o Senhor! - o que nunca tinha pensado comprar.

Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.

Cada menino
abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora
já está desperta.
De manhãzinha
salta da cama,
corre à cozinha
mesmo em pijama.

Ah!!!!!!!!!!

Na branda macieza
da matutina luz
aguarda~o a surpresa
do Menino Jesus.

Jesus,
doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora.

Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas
a caírem no chão como se fossem mortas:
tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá.

Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá
fingiam
que caíam
crivados de balas.

Dia de Confraternização Universal,
dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.

António Gedeão

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Bufa de velha

No final de Agosto, de um Verão seco e quente, apareceu debaixo do único carvalho que o terreno tem,  este cogumelo conhecido pelo nome de bufa de velha (Pisolithus tinctorius (Pers.) Coker & Couch (1928) ou Pisolithus arhizus (Scop.) Rauschert (1959)).

Desconhecia semelhante espécie, as fotografias mostram a fase inicial e a fase final, em que quase se cofunde com a terra.

Segundo a Wikipedia :
 Pisolithus tinctorius é também um dos maiores componentes nas misturas produtoras de micorrizas utilizadas em jardinagem e horticultura como estimulantes do desenvolvimento radicular