quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Infestantes

Espiga de flores da Acacia longifolia

A história começa no sec. XIX, em que se pretendia resolver um problema de fixação de areia nas dunas litorais.
Introduziu-se a Acácia das espigas (Acacia longifolia (Andrews) Willd.) que através de da sua rede de raízes conseguiu fixar realmente as dunas só que a rede de raízes tornou-se demasiado densa e as plantas nativas deixaram de te ter espaço para se desenvolver.
 
 Árvores de Acácia l.
Assim adquiriu o estatuto de Planta invasora, abrindo caminho para a sua erradicação, mecânico (corte), Químico (herbicidas) ou o chamado método natural.
 Trata-se da introdução de um insecto que vai atacar as flores desta acácia, e cria (Ver link http://invasoras.pt/trichilogaster-acaciaelongifoliae-controlo-natural-acacia-de-espigas/)
  Numa primeira fase, os insetos (Trichilogaster acaciaelongifoliae

 Trichilogaster acaciaelongifoliae

serão libertados numa extensão entre Quiaios, na Figueira da Foz, Mira e S. Jacinto, em Aveiro, "para impedir a formação de sementes da acácia-de-espigas", adiantou ao DN a investigadora da equipa do Centro de Ecologia Funcional (CEF) da UC, coordenado por Helena Freitas, no âmbito do projeto que também junta especialistas da Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Coimbra (IPC). Já no próximo ano, esta metodologia deverá abranger outras áreas do país e assim sucessivamente, no âmbito deste projeto que deverá durar anos.

a. vagens de acácia-de-espigas, b. área dunar (re)invadida por forte germinação de acácia-de-espigas depois de uma intervenção, c. acácia-de-espigas com galhas (na África do Sul), d. observação à lupa de Trichilogaster acaciaelongifoliae, agente de controlo natural de acácia-de-espigas durante os testes de especificidade, em ambiente confinado (quarentena) onde foi colocado em contacto com uma lista de plantas não-alvo (tojo, na imagem).


Ecologia, do grego oikos casa e logia estudo, o estudo da casa, das suas interacções a nível da natureza entre as diferentes casas.
O cientista alemão Ernest Haeckel usou pela primeira vez este termo em 1869 para designar o estudo das relações entre os seres vivos e o ambiente em que vivem.
No estudo da casa, o homem achou, acha que pode ser arquitecto dessa casa.
Neste caso tenta fechar uma porta mas abre uma janela... os maiores sucessos para esta introdução, mas fica-me sempre um mas...

1 comentário:

Ana Ramon disse...

Olá Amigo,
Quando ouvi falar desta importação do parasita da acácia, também fiquei a reflectir na possibilidade de mais uma situação caótica, caso o bicharoco tenha apetite para certas plantas autóctones e tudo acabe em mais uma praga de dimensões não previstas. Para evitar um problema futuro, comecei a tratar das minhas duas palmeiras que até tinham um aspecto saudável, e qual foi o meu espanto quando me dei conta da quantidade de escaravelhos que fugiam do produto químico e que ainda não tinham dado mostras de já habitarem as palmeiras. E agora é mais uma renda que tenho aqui e nem sei se consigo salvar as desgraçadas, sempre sujeitas a novas invasões. E ninguém esperava que um dia viesse este escaravelho contaminar as nossas palmeiras. Por isso é que ouvir falar da importação de um parasita inexistente por cá e esperar que seja ele que vai corrigir a invasão das acácias, só me assusta... a sério. Mas enfim...
Sobre a Luzerna, lembrei-me de contactar o blogue http://sementesdeportugal.blogspot.pt/
que responderam assim:
"Obrigado pelo email. Sim dispomos de sementes de Luzerna. Qual era a quantidade?"
Por isso, se ainda estiveres interessado, contacta o João Gomes pelo endereço: sementesdeportugal@gmail.com
ou pelo telefone: 918795885
Espero que te tenha sido útil
Não sei se tens o mesmo endereço de correio. O que tenho aqui ainda é do teu trabalho e como nunca me respondes às questões que te ponho, chego a pensar que já não o tens a funcionar. A tua página do face também não mexe. Por isso aproveitei o blogue para te dizer estas coisas :)
Beijinho e vai dando notícias