quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Alves Redol

[...]
- És tu sol? - gritou a Sementinha com tamanha força que ficou rouca.
- Sou, sim, minha amiguinha! Vem depressa, anda!...
A Sementinha perdeu a cabeça com o entusiasmo de se ver libertada. E subiu mais, num esforço sem olhar a canseiras. Cada vez mais e sempre mais, pensando com alegria: “É agora! É agora, sim, tenho a certeza!”

Mal passou a última porta do palácio onde a Terra-Feiticeira a prendera, a nossa amiga ficou tonta com a luz e as cores do campo. E chorou a alegria enorme de se ver em liberdade. […]

in A Vida Mágica da Sementinha, uma breve história do trigo

Sem comentários: