sexta-feira, 23 de junho de 2006

Artemisia annua








É conhecida nos países anglo-saxónicos como Sweet Annie, originária da Ásia, e mais provavelmente da China onde é conhecida por qinghao. È mencionada no Chinese Handbook of Prescriptions for Emergency Treatments do ano 340 AC para o tratamento de febres.
Actualmente é considerada muito eficaz no combate à malária.

Referem vários autores que está aclimatizada em países como a Espanha e França, por cá em Portugal, nunca a vi, e gostava de saber se já alguém a viu.
O seu princípio activo, a artemisinina (referido formalmente como arteannuin e como qinghaosu na China) encontra-se principalmente nos tricomas existentes nas cavidades das folhas inflorescências, são uma espécie de glândulas de armazenamento. O composto referido, existe 4 a 11 vezes mais nos tricomas das inflorescências em relação aos das folhas Estas glândulas crescem e quando atingem a maturidade produzem uma descarga nos tecidos adjacentes e a artemisinina é recombinada com outros produtos. A recolha deve ser feita antes deste processo.

Há cerca de dez anos a Organização Mundial de Saúde recomendou que as terapias usadas nos países mais flagelados pela malária incluíssem a artemisinina.
Existe actualmente um fármaco derivado da Artemisia annua registado em África com o nome Paluther.

Existem algumas confusões, para mim , na classificação desta planta, principalmente o agrupamento, mas mais também por causa da classificação de outras artemisias.
Esta artemisia pertence à tribo Anthemideae das Asteroideae, uma sub-família das Asteraceae, da família das Compositae.
Várias abordagens taxionómicas têm subdividido o género Artemisia em várias secções sub genéricas; A. annua tem sido considerada na subsecção Absinthium (Hall and Clements 1923) ou numa subsecção combinada Artemisia (Absinthium + Abrotanum). (Poljakov 1961, Yeou-ruenn 1994).

19 comentários:

Ivo Rodrigues disse...

Saudações alentejanas !!!

É sempre bom passar pelo teu blog para aprender mais e mais.

Já falas-te da Dedaleira, existe no nosso Portugal e é muito boa para o coração.

Continua com o bom trabalho ....

Haja saude !!!

Filipe disse...

Olá Ivo.
Ainda não falei da dedaleira, mas é uma planta com a qual se deve ter cuidado, pequenas doses, são muito tóxicas. As doses a utilizar devem ser orientadas por alguém, normalmente um homeopata. Utizada in natura pode provocar graves dissabores

locacinoca disse...

Há um pézinho no quintal de minha sogra, próximo a Lisboa. Está saudável e cheia de flores. Só não lhe ofereço uma muda por não ser minha.

Leonor disse...

Tens um blog maravilhoso. Quanto à Artemísia Annua conheço-a, há no Alentejo, tenho-a entre as minhas plantas (Algarve). Li há pouco que é útil no combate ao cancro, curiosamente quando eu era miúda havia um homem na minha terra que nos comprava aquilo a 25 tostões o quilo, preferia as raízes. Chamavam-lhe tagarro, eu e o meu primo parecíamos dois pedintes a carregar sacos daquilo e fazíamos uns cobres.Se ele comprava era porque vendia, e se vendia, alguma utilidade tinha, sei que a vendia a ervanárias e farmaceuticos. A Natureza sempre nos surpreende

Anónimo disse...

Boa tarde

Parabens pelo blog.

Descobriu onde se consegue comprar a artemisia annua?

Obrigado

Anónimo disse...

E falar sobre o "boldo", parece ajudar na regeneração do fígado.... Será???
Muito obrigada pelo seu blogue

Leonor disse...

Sou a mesma Leonor que carregava sacos com raízes de artemisia annua, que um homem comprava a 25 tostões o quilo. Este comentário só surge porque uma (outra) apaioxonada por este blog falou comigo por causa desta planta. Começo a dar mais valor ao meu "jardim botânico", onde além da artemisia annua tenho outras preciosidades, até raridades - mandrágora, acónito, beijo-de-mulata, branca-pobre, fora outras primas da artemísia, etc, etc, e mais etc. Valeu a pena ser uma aficcionada por plantas. Temos tantas preciosidades que nem vale a pena importar plantas que têm aqui correspondentes com as mesmas propriedades. Mais: quanto à mandragora (automnalis), ela só existe no sul da Europa, depois no Médio Oriente (sobretudo Israel). Sendo assim, pode ser uma riqueza para exportar. Os aficcionados em plantas, como eu, é que não têm dinheiro, nem apoios, só têm o conhecimento.

Quanto ao boldo, ele ajuda na regeneração do fígado, mas não é necessário importá-lo. Aqui no burgo temos o taráxaco (teu-pai-é-careca), além do cardo-mariano e outras plantas regenerativas do fígado.

Filipe disse...

Bom dia Leonor

Obrigado pela visita ao meu blog e pelo seu comentário.
Eu estou muito interessado em obter mudas de artemisia annua,e provavelmente outras plantas que tenha se quiser entrar em contacto ou fazer-mos trocas pelos correios agradecia

Filipe

Rui disse...

Bom dia

Uma amiga aconselhou-me chá de artemisia annua para combater o cancro do pulmão.
Segundo este artigo ela é muito eficaz:

http://www.blogfisiobrasil.com.br/2016/02/esta-incrivel-planta-mata-98-das.html?spref=fb

Moro na zona de Castelo Branco e a minha mulher está internada no hospital do Fundão com essa doença.
Haverá artemisia annua aqui na zona? Onde poderei encontrá-la?
Se me puderem ajudar fico muito grato.
Aqui deixo o meu mail: ruimbp@gmail.com

Bem hajam
Rui

Filipe disse...

Obrigado pela visita, desejo as melhoras para a sua mulher.

A artemisia annua é uma planta originária da Ásia, embora no nosso clima ela se possa ambientar, mas pode originar híbridos com as artemisias que existem em Portugal naturalmente e não têm a mesma composição.

Na NET encontrei este site em Espanha que vende chá de artemisia annua, mas não tenho qualquer referência sobre a firma que lhe possa dar.
http://www.andaluciamedicinal.com/pt/productos/1069-artemisa-artemisia-annua-120gr.html

Filipe disse...

Rui

Deixe-me lembrar que não está provado que o chá de artemisi annua cure o cancro do pulmão. Essa é uma afirmação muito forte, que carece de prova.
Pode-se afirmar é que este chá pode ajudar as defesas do organismo a reagirem.

Leonor disse...

Filipe tem razão quando diz que não está comprovado que a Artemísia annua cure o cancro, mas pode ajudar as defesas a reagirem às células invasoras. Ajudar não é curar. Quanto ao cancro, há outras ervas mais eficazes que a Artemísia, e no caso concreto do cancro do pulmão (mas não só) existe a nossa Salva-do-sul, que eu já considerava extinta, mas pelo menos ainda resiste na zona do Algarve, onde moro. Existem algumas plantas antimitóticas,mais eficazes que a artemísia. Uma planta, que é rara no mundo, subsiste pontualmente no Algarve, a Cynomorium coccineum, parasita, sobretudo das Quenopodiáceas, é muito eficaz no tratamento do cancro (ainda que não seja antimitótica), mas excelente a combater radicais livres, que "alimentam" as células invasoras. Os chineses têm feito um excelente negócio com a outra variedade conhecida desta planta, a Cynomorium songaricum, que tem as mesmas qualidades que a nossa. São duas espécies muito raras. Obter a sua muda? Pois é difícil, daí ela ser tão rara. Identifiquei-a mas ainda não posso dizer que tenha conseguido a sua reprodução.

Filipe disse...

Obrigado mais uma vez pelos teus comentários Leonor.

Quando falas da salva do sul é a Salvia sclareoides Brot.?

Filipe disse...

Obrigado mais uma vez pelos teus comentários Leonor.

Quando falas da salva do sul é a Salvia sclareoides Brot.?

Leonor disse...

É a Salvia sclareoides, sim. É uma plantinha que ainda tem muito para dizer. Fiquei a saber que ela é específica do sul de Portugal, não ocorrendo no sul de Espanha. A minha tia-avó chamava-lhe marroio-preto, mas eu eu sei que o marroio-negro é outra planta, que também conheço. Quando eu era miúda abundava no Alentejo (Grândola), agora não sei, pouco lá vou

Leonor disse...

De há uns tempos para cá dediquei-me a fazer um "jardim botânico", como airosamente lhe chamei, quando pouco mais tinha que Tomilho, Capuchinhas e Coentros. Desde há uns 2 anos começou a ganhar vedetas, quase faz inveja ao jardim botânico da "Flora-on", por exemplo. Entre as vedetas: Artemisia annua (e outras espécies de artemísia), Salvia sclareoides, mandrágora, meimendro-branco (falta o negro), várias sideritas, acónito (3 espécies, todos venenosos graças a Deus), onagra, etc. etc. São a minha perdição, até sonho com elas.

Rui disse...

Olá Filipe,

Agradeço-lhe pelo seu blog, pelo comentário e pelo "link" e pelas melhoras da minha mulher.

Ela partiu serena mas deixou sementes para as melhoras de muitos outros.

Bem haja
Rui

Rita Botelho Lopes disse...

Bom dia Leonor preciso de conseguir obter artemisia , por favor entre em contacto cmg se realmente conhece esta planta

João Alves disse...

Boa tarde,

A ser boa para combater/ajudar a combater o cancro, como é feita a sua toma?

Alguém me sabe dizer?

Desde já obrigado.